Pipoca 1, Pipoca 2, Pipoca 3, Pipoca 4

O valor para a libertação dos 4 Pipocas já foi angariado! Temos tudo o que precisamos para começar a vedar o local. Acompanha-nos.
114% Apoiado
  • 454€ Apoiado
  • 400€ Objetivo
  • 17 Apoiantes
Tempo restante

Sobre a campanha

Os Pipocas são 4 cães do mesmo detentor que vivem em condições muito precárias.

Três cães e uma cadela que, acorrentados, vivem no quintal da habitação sem abrigos adequados.

O detentor dos 4 pipocas é uma pessoa afável com quem foi possível negociar a libertação dos 4 animais. Por motivos financeiros, de desemprego e de problemas de saúde, o detentor não tem condições para proporcionar um alojamento diferente aos animais de que tanto gosta e de quem cuida, na medida das suas possibilidades.

Será necessário o seguinte material para a vedação e consequente libertação:

  • 80m de rede e painéis metálicos
  • 40 paus de madeira
  • Cimento
  • Limpeza do local
  • Esterilização da cadela para evitar reprodução quando todos os animais forem libertados e se mantiverem juntos.
  • Desparasitação interna e externa
  • Casotas, bebedouros, comedouros
  • Telas de sombra

Para além da libertação, a equipa quebra a corrente vai apoiar o cuidador através de informação e sensibilização sobre os cuidados a ter com vacinação; desparasitação; alimentação e exercício dos animais, e manterá contacto regular.

Se [email protected] ajudarmos, em breve este cenário poderá ser diferente e cada um destes cães terá uma identidade. Vamos a isso?!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

4 comentários

  • Cristina Maria Azevedo da Costa Rodrigues

    Gostava de ajudar. Tantos patudos acorrentados!

    14 Junho, 2018 at 22:03 Responder

  • Tânia

    Em breve teremos um novo cenário para estes quatro animais.

    21 Junho, 2018 at 09:33 Responder

  • Filipa

    Boa sorte !

    4 Setembro, 2018 at 17:46 Responder

  • João Rui Moedas

    Quebrar correntes sempre foi difícil mas acredito que, convosco, se consiga desacorrentar bastante.

    28 Setembro, 2018 at 13:42 Responder