Farrusco

O Farrusco vive em Lisboa, numa "horta urbana". Foi libertado pelos seus dois tutores, com o apoio do Movimento Quebr' a Corrente.
Desacorrentado
Esta campanha foi bem-sucedida e alcançou o seu objetivo!
103% Apoiado
  • 155€ Apoiado
  • 150€ Objetivo
  • 8 Apoiantes
Tempo restante

Sobre a campanha

Descoberto por ativistas do Movimento Quebr’ a Corrente, o Farrusco foi de imediato alvo de uma intervenção, conjuntamente com os seus tutores, na perspetiva de lhe serem quebradas as correntes, com a máxima urgência.

Assim, após diálogo e negociação com os seus tutores, foi aceite a ajuda do Quebr’a Corrente para a sua libertação num espaço vedado. O apoio consubstanciou-se na entrega de materiais para vedar o espaço e adequá-lo à permanência do Farrusco (painéis de vedação, cimento, areia) sendo que haverá, doravante, apoio do Movimento a outros níveis como: vacinação, deparasitação, apoio alimentar e sensibilização sobre a necessidade do animal ser levado a passeios para exercício físico regular e ter contacto com outros animais e diferentes contextos.

O valor da campanha inclui as despesas com os materiais e deslocações e contempla também apoio para vacinação, desparasitação e alimentação.

Como nas outras campanhas, todos os contributos são bem-vindos 🙂

Até já…

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

4 comentários

  • Carla Afonso

    Gostaria apenas de saber se este cão será acompanhado

    4 Setembro, 2018 at 19:28 Responder

  • Quebr' a Corrente

    Olá Carla! A equipa Quebr’ a Corrente acompanhará o Farrusco doravante e trabalhará com os tutores de perto para os sensibilizar e apoiar a serem melhores cuidadores do animal, sobretudo no que diz respeito às suas necessidades em termos de saúde, alimentação, exercício físico e interação com outros animais e contextos.

    4 Setembro, 2018 at 21:06 Responder

  • Anónimo

    Fico feliz com o trabalho que fazem.

    7 Setembro, 2018 at 21:36 Responder

  • Anónimo

    Apoio totalmente o vosso trabalho. Dos mais importantes que tenho visto.

    7 Setembro, 2018 at 23:55 Responder